sexta-feira, março 30, 2007

Mundo velho



No mundo velho… cuidado!
Existem valores por onde se regem determinadas fatias da sociedade que não se esquecem de os lembrar. Nem tão pouco os velhos reclusos, que ainda vão resistindo ao degredo, me relatam que antigamente era mais fácil roubar, estrangular, matar se preciso fosse, para que a forma da vida deles continuasse a ser a única saída para se conseguir ter alguma coisa.

Tenta-se pensar que hoje em dia consegue-se ultrapassar muitos obstáculos que eram intransponíveis no tempo dos burros andarem pela cidade.
Por isso, falar da vida de um bandido (ou outro adjectivo que se lhe queira dar) não é fácil. E por razões internas e pessoais, mesmo que o pudesse relatar, nunca o faria. Mas se os que o são a publicassem, teriam igual sucesso como Charrière ou Caryl Chessman. Ou até outros, de igual género mas com imunidades diferentes, o conseguiriam.

Ao absorver o que se passa no exterior, e falar de outros bandidos que toda a gente sabe quem são, muita das vezes nos interrogamos se estamos no lugar certo ou há qualquer coisa errada no sistema social que nos abrange.
E ficamos um bocado à nora.
Basta folhear os jornais que nos entregam gratuitamente. Bastas-nos um clique para saber que nem tudo anda bem aí por fora. Por vezes, chega-nos a simples informação do estado das coisas pelos comentários que nos deixam (obrigado Py) ou pelo e-mail que nos enviam.

Os tópicos avulsos que nos chegam sobre a Independente, o cartaz no Marquês que a gente não consegue ler daqui, ou o idiOTA que o Gato Fedorento tão bem retratou (e que afinal não é engenheiro), trocam-nos a maneira certa de pensar.

E questiono-me sobre o conselho do meu vizinho da cela ao lado, quando me diz:
- Se pensas em refazer a tua vida lá fora, bulir, estabilizar e tal ou essas merdas todas, estás fodido meu.

5 Comments:

Blogger eduardo said...

Foi a pensar nisso, Zé, que por vezes me interrogo se vale a pena todo um esforço dos gajos que pretendem refazer toda uma vida.

Silenciosamente, ainda acho que vale a pena.

Mais que não seja, para se poder provar que vontade nunca falta. As oportunidades é que são poucas.

Mas isso, são outros quinhentos...

Um abraço à rapaziada.

9:43 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

e temos sempre aquele recurso do 'tudo vale a pena se a alma não é pequena', quanto mais não seja para experimentar...

Põe-se uma reserva moral no 'tudo'.

abraços

py

12:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Começar de novo vale sempre a pena... começar alguma coisa do zero... mesmo que seja a nossa vida... é ter a oportunidade de nascer mais uma vez... e vocês, que estão aí dentro... um dia terão essa oportunidade! Acreditem que sim...
Muito mais "fodidos" (como diria o seu colega de cela) estão algumas pessoas cá fora... que vivem presos a ideologias que não são as delas, que vivem uma vida que não queria,que sonham sonhos que não são os seus, que têm profissões que não amam, que acordam de manhã desejosos que chegue a hora de deitar... Esses sim estão "fodidos" porque nunca terão coragem de mudar!

S.

10:01 da tarde  
Blogger peciscas said...

É claro que cá fora as coisas não estão fáceis e que andam por cá muitos que teriam muitas mais razões para estarem aí do que, provavelmente, alguns de vós.
E, vá lá, não não acreditares
demasiado no companheiro do lado. Pelo que tens demonstrado através daquilo que vais escrevendo, tens contigo armas que te ajudarão a refazeres a vida.

7:21 da tarde  
Blogger absorbent said...

tb estas fodido se nao pensares em refaze-la... mal por mal mais vale tentar, ne?

4:53 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home