quarta-feira, setembro 13, 2006

Amor atrás das grades

(passa hoje à noite na RTP, numa reportagem de Alberto Serra)


Já explicámos aqui que para além do delinquente, considerado na generalidade bronco e duro, existe um amontoado de afectos e sensibilidades dentro do seu peito que passam ao lado dos olhares comuns. Para além deste caso, que logo mais será conhecido, sabemos de outros com outras nuances que deram resultado e fazem a parte boa das memórias que nos ficam do cárcere.

Provavelmente, como todas as reportagens realizadas por gente alheia e externa ao fenómeno das prisões, conterá algumas inexactidões ou defeitos profissionais por arrastamento. Mas estará muito próximo da realidade dos casos que conhecemos.

Fica o apontamento. Depois gostaríamos de saber a sua opinião. Pode ser que ajude os mais novos a não desistir tão facilmente das oportunidades que nos restam quando vos lerem, e possam acreditar que um dia também podem aspirar a uma vida normal.

É que ao contrário do que se possa supor ou pensar, também existe amor e vida para aquém destas grades de aço maciço.

Obrigado



4 Comments:

Blogger Menina_marota said...

Não sei como aqui vim parar, mas também não interessa.
Neste momento estou a ouvir a Grande Amália, que deixaste algures aí num post e que a minha curiosidade feminina me levou a abrir.

"Povo que lavas no rio, que talhas com o teu machado as tábuas do teu caixão..." diz "ela, na sua voz misteriosa...

Sei que voltarei aqui... gostei deste espaço, com ou sem grades...é um espaço de Liberdade.

Um abraço e fica bem ;)

4:43 da tarde  
Anonymous R. said...

Eu vi a reportagem. Emocionou-me. Garanto-vos que o carinho e o amor que se viu naquele casal é provalvelmente maoir e quem sabe mais forte que muito amor que é vivido em liberdade. O cuidar do outro, as meiguices que se levam em objectos tão banais como um lenço, o querer agradar tanto naquela visita mensal bate aos pontos relações que conheço e que são vividas todos os dias de cada mês...
Apesar da contrariedades da vida e do sufoco que deve ser estarmos privados de liberdade quantos de nós não dariam muito para viver uma história de amor assim?
R.

Eu também acho que "existe amor e vida para aquém destas grades de aço maciço". Mas não é porque o escreves. É porque se sente.

11:49 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Zé, por razões profissionais, não me foi possível assistir.
Mas já sei que vão repetir o programa dia 17 ou coisa assim, na RTP N.
Relativamente ao assunto, sei por experiência própria que o Amor é um sentimento que não se disciplina, mesmo que se possa retrair.
Para além do caso, reparei que já conhecias, conheço outros entre deficientes motores, cegos, alcoólicos recuperados e indivíduos que passaram de sem-abrigo a pessoas com a vida estabilizada.
Inerente à actividade social que já exerci sobre a matéria, para muitos daqueles casos serão necessárias algumas ajudas especiais.
Calculo que no caso que passou na televisão apenas possa haver boa-vontade dos responsáveis prisionais. Porque quando se ama, não há grades que resistam e faz de todos nós gente melhor.

Os mais novos daí que saibam disso.

Um abraço para a malta,

do saddam, o dos fados

12:30 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Zé,

Reportagem 5 Estrelas...

Obrigado por teres avisado.

Estranho numa terra estranha...

7:56 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home