sábado, dezembro 30, 2006

A coisa humanamente incorrecta



Matar um homem não é fácil. Vê-lo morrer, ainda é pior. Que o digam os companheiros com quem convivo e que apanharam penas enormes. Não é diferente se virmos a coisa pela conjuntura do poder político. Mesmo perdidos os direitos de veto e voto por estes camaradas que determinados acontecimentos alteraram a vida que levavam, o enforcamento de Saddam Hussein, na opinião deles, não caiu bem.

De facto, da nossa parte, sempre existirá uma empatia com condenados. Grades e calaboiços, paredes muradas e guardas armados por perto, é das coisas a que estamos habituados. Talvez também por isso, seja mais um reflexo das abordagens que fazemos a várias questões que nos tocam mais de perto. Prisão e pena de morte são duas delas. O poder de julgar e condenar nas mãos de homens poderosos, é mais uma. E a execução de Saddam Hussein em nada alterará o imbróglio em que Bush se meteu, nem tão pouco beneficiará o estado de saúde da região conflituosa. Pensa-se isso por aqui.

E o que nos foi dado a ver?
Um pobre coitado, assustado e de olhos vidrados, que teve os seus anos de condado, privilégios e mordomias, com um país por sua conta. Tal como outros que em campos politicamente opostos também os têm. Apenas com a diferença daquele nó que sufoca subitamente.
Presenciar a subida ao patíbulo da morte com a corda na garganta, não é das melhores coisas que possa acontecer a qualquer gajo. Ver um homem com o pescoço partido, e distorcido, faz queimar a visão que temos das pessoas que comandam o mundo.
E, mais uma vez, ficamos com a noção que qualquer coisa não bate certo. Mesmo que continuemos a desejar um bom ano a toda a gente.

7 Comments:

Blogger António Rosa said...

Zé [+ família + amigos] e a todos os que estão aí,

Bom ano 2007!

Que a vida nos seja generosa e, saibamos nós corresponder.

Tomemos ainda maior consciência que a nossa vida está intimamente ligada ao nosso Planeta-Nave-Mãe.

Cuidemos dessa nossa ligação com Gaia.

Cuidemos da nossa sintonia com o céu, sem nunca deixarmos de andar aqui em baixo, disfrutando da vida.

Abraço.

António

11:44 da manhã  
Anonymous Eremita said...

Tem razão caro Zé.
A condenação à morte deveria ser abolida.Há sempre a possibilidade de qualquer pessoa se regenerar dos males cometidos.
Também estou solidária com este enforcamento.

12:08 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

a retaliação será terrível, pois então

py

12:30 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

A lêr em: O Jumento

A morte de um canalha como Saddam não tornou o mundo nem mais justo, nem mais seguro, um canhalha na prisão é muito menos perigoso para o mundo do que um idiota na Casa Branca.

2:41 da tarde  
Blogger Ana said...

Mesmo sem nutrir empatia por Saddam (isso para mim é pedir demais), fiquei com vontade de ver no seu lugar alguém da Casa Branca. Fazia tudo igual e, no exacto momento, trocavam a corda por outra mais comprida. O sr pensava que ia ser enforcado e, no final, caía ao chão e ficava com os tim-tins na mão.
Quem tem boas ideias, quem?

8:01 da tarde  
Blogger Grilinha said...

Não sou a favor da pena de morte.
Ninguém tem o direito de decidir quando outro alguém deve morrer a não ser Deus ou o destino ... como cada um quizer entender.
Saddam deveria ser punido pelos crimes que cometeu.
Que descanse em Paz lá onde quer que esteja e que a sua alma não atormente mais ninguém.

12:18 da manhã  
Blogger Lolly said...

A execução de Saddam não nos coloca mais perto da paz. Porque a vingança não será nunca equivalente a justiça, e porque a paz nunca poderá ser alcançada com a violência. Uma falsa paz, talvez, mas essa é frágil e imprevisível, e reina apenas na superfície para ficar bonita nos jornais. Como dizia Ghandi "Não há caminho para a paz, a paz é o caminho"...

6:32 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home