terça-feira, maio 29, 2007



“A ponte é uma passagem/p’ra outra margem…”
Jafumega, 1980


E nós, o Núcleo Duro que edita este blogue atrás de grades, somos as pessoas que mais pontes procuram.

Quase diariamente, não temos muita disposição para festejar o que quer que seja porque, como se consegue perceber, o palco da nossa estadia não é dos mais sugestivos para comemorações. No entanto, esta não devemos deixar em branco.

Faz um ano que começámos a atravessar a ponte que nos liga a um exterior que faz sentido. Que tem retorno e nos ajuda a ultrapassar a solidão. O medo e o vazio. A visão que temos das coisas que nos fizeram vir aqui parar.
Ao contrário da lenda da ponte de Mizarela, esta estava já erguida no meio do tudo. Com o tabuleiro central apinhado de compreensão. De estímulos e incentivos. Animado com outros viajantes que, como nós, procuram trilhos melhores a outras respostas, e foi fácil descobri-la.

Neste ano que passou rapidamente, muitos saíram já para a derradeira tentativa de refazerem a sua própria vida. Infelizmente, muitos mais entraram ou foram transferidos. De qualquer forma, julgo que os que se foram vão mais fortes no sentido de encarar melhor as coisas. Foram-se com esperanças redobradas. Mais enriquecidos por um ano diferente que passaram com esta experiência que nunca esqueceremos.

Por isso, agradecemos a todos quantos nos ajudaram a ultrapassar os dias menos bons. A todos quantos nos galvanizaram e apoiaram. A todos quantos nos enviaram uma palavra de carinho. De amizade. Mesmo sabendo que somos o que somos.
Para além de estarmos gratos, nesta ponte onde ninguém paga portagem, apenas podemos retribuir com a vontade de nos tornarmos melhores pessoas e sair de vez do sub-mundo que foi a desgraça de todos nós.

Contem com a gente!

7 Comments:

Blogger Branco said...

Há já algum tempo que acompanho este blog, hoje é o dia em que mostro o meu carinho, a minha amizade e, pelo menos, uma tentativa de compreensão.. é muito bom ver talento e vontade a sair de um sub-mundo que apenas posso imaginar violento, e ainda assim não sinto raiva nem ódio nestes textos... é bom sentir que a bondade existe mesmo quando a maldade nos distorce a visão.. obrigado por estes textos, abraços e os mais sinceros desejos de felicidade.

Pedro Mota

(para o caso desta mensagem conter algum comentário que necessite de resposta fica aqui o meu e-mail: pm.ballesteros@gmail.com)

4:02 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Nem tão pouco dei por esse tempo ter passado.
Deve ser pela agradabilidade de vos ler.

Mas não vais ficar aí a vida toda, pois não?

Um abraço do,

saddam, o dos fados

11:21 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Não são só vocês que nos agradecem. Nós também vos agradecemos. Mesmo um gato de telhado como eu gosta de levar uma festinha sincera, quando a coisa está preta. Fica logo às cores.

py

12:02 da manhã  
Blogger eduardo said...

Há uma coisa, diz-me a experiência que já levo nestes anos já vividos, Zé, que nunca esquecemos: o passado.
Mas com a visão que podemos ter das coisas para o futuro, tudo pode ser apagado.

Tal como tu, como eu, e tantos outros que se aproximam por aqui e que não deixam sequer uma palavra, procurámos pontes. Respostas às questões normais de todos os miúdos que em cada época vivida faziam parte dum círculo em cada um de todos nós.

O facto saliente nesta ponte que criaste, é que estamos cá. A ler-vos, a ouvir o que vai na vossa alma. E isso liberta.
Faz de nós melhores pessoas, como tão bem referes e ensina-nos a compreender melhor com quem convivemos. Mesmo que estejam presos. Escondidos do olhar do viajante mais comum.

E tu, mais o teu Núcleo, fizeste com que saibamos disso. Com a tal ajuda das pessoas que passam por aqui e te incentivam. Vos apoia e estimulam. Para que possam pensar como pessoas livres que querem mudar de vida.

(Porra, que pareço quase um padreco de aldeia a discursar na homília...)

Força, pessoal!!!
Malta que é malta, nunca desiste de olhar o futuro d'outra maneira.

Um abraço à rapaziada.

10:48 da tarde  
Blogger peciscas said...

Apesar de vir um pouco atrasado, não quero deixar de vos felicitar pelo aniversário do blogue.
Conhecer este "Memórias" veio enriquece-me bastante, na medida em que o que aqui é escrito, nos mostra um pouco da realidade que se vive na "outra margem" e que a gente só supõe, muito de longe.
Eu, apesar de haver muita gente por aí a querer dar-me razões para crer o contrário, ainda acredito no Homem e na sua capacidade de se redimir e de se ultrapassar.
E pelo que tenho lido aqui, penso que tu, Zé, e os outros Zés que por aí estão, vão sair, seguramente, para um novo rumo.
Parabéns!

7:11 da tarde  
Blogger mariazinha said...

parabéns atrasados. já vos leio há algum tempo, e gosto de vos ler.
porque sim.
beijos de parabéns!

12:10 da manhã  
Blogger Paula Raposo said...

Vou voltar mais aqui. Por hoje fico com as lágrimas nos olhos e a esperança que nunca deve morrer em cada um de nós. Vou ver o email e enviar um.

5:26 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home